Portal Sistema Firjan
menu

Notícias

Competitividade

Innovation Day prepara empresas fluminenses para os desafios da Indústria 4.0

Empresários conheceram novas tecnologias que o IST Automação e Simulação oferece com foco na Indústria 4.0

Empresários conheceram novas tecnologias que o IST Automação e Simulação oferece com foco na Indústria 4.0Foto: Vinícius Magalhães

09/10/17 15:47  -  Atualizado em  10/11/17 12:41

A Quarta Revolução Industrial, também conhecida como era cognitiva, é uma realidade para empresas de todo o mundo. Para aproximar empresários fluminenses dos conceitos da Indústria 4.0, o Sistema FIRJAN, em conjunto com a Bosch Rexroth, organizou o Innovation Day. O evento dissemina caminhos para aumentar a eficiência das indústrias através das concepções da quarta revolução industrial.

Segundo Fábio Fernandes, engenheiro da Bosch Rexroth, um dos problemas das empresas brasileiras é que elas, em sua maioria, ainda são Brownfield, ou seja, utilizam máquinas não conectadas. Como o custo de renovar o maquinário é muito alto, Fernandes apontou como solução utilizar sensores nesses equipamentos para poder monitorá-los e reduzir os custos relativos à manutenção. Isso gera maior agilidade na produção e aumenta a longevidade dos equipamentos.

“Os dados que são emitidos pelas máquinas são envidados para a nuvem. A partir dessas informações, os técnicos de TI podem avaliar quando o aparelho terá que trocar o óleo lubrificante e outras questões relacionadas à sua efetividade dentro da fábrica. Na Bosch, por exemplo, conseguimos reduzir o tempo de planilhamento de dados de quinze dias para uma hora com o uso dessa tecnologia”, disse.
 

Inovation-day2.jpg
O engenheiro da Bosch destacou a importância de conhecer as tecnologias disponíveis para fornecer para grandes empresas


Outro ponto abordado foi a necessidade de estímulo para que pequenas e médias empresas invistam em digitalização. Para ele, é fundamental que os fornecedores estejam alinhados aos conceitos e tecnologias disponíveis para poderem trabalhar em sintonia com as grandes indústrias.

“Os produtos da Bosch necessitam ter a mesma qualidade no mundo inteiro. Para isso, é imprescindível que os nossos fornecedores estejam nivelados com a nossa metodologia e possam acompanhar a demanda, caso haja um aumento súbito de pedidos. Isso evita um gap”, afirmou.

Sobre as barreiras que as companhias fluminenses enfrentam para alcançar o modelo da quarta revolução industrial, Maurício Ogawa, gerente executivo do Instituto SENAI de Tecnologia (IST) Automação e Simulação, destacou como principais a falta de mão de obra qualificada e dificuldade para identificar tecnologias e parceiros: “Aqui no IST nós oferecemos treinamentos e equipamentos necessários para preparar as empresas fluminenses com foco na Indústria 4.0. No nosso portfólio temos simuladores que utilizam óculos de realidade virtual, softwares de gerenciamento de produção, além de especialistas que auxiliam no desenvolvimento dessas tecnologias”.

Para Wirley Landim, engenheiro de Desenvolvimento da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), o Innovation Day foi importante para dar o direcionamento necessário a quem busca automatizar processos. “Acredito que quem não procurar se atualizar vai acabar ficando para trás. Hoje competimos com o mundo, então temos que estar atentos às novas tecnologias para manter a nossa empresa competitiva”, ressaltou.

Já Márcio dos Santos, gerente de Produção da Carl Zeiss, acredita que a falta de investimentos devido ao momento que o país atravessa faz com que seja necessário adaptar os modelos a nossa realidade. “Pretendemos implantar os sensores para monitorar as máquinas e alcançar maior eficiência produtiva nas nossas fábricas”, explicou. 

Difusão do conceito no Rio

Uma das missões da Federação em organizar eventos voltados à Indústria 4.0 é difundir os benefícios das novas tecnologias de produção entre os empresários fluminenses. De acordo com Gabriela Ichimura, especialista em inovação da FIRJAN, é por meio de seminários, palestras e estudos que os empresários podem se conscientizar sobre a importância do tema conhecer, a partir de cases de sucesso, as vantagens competitivas que essas tecnologias trazem em relação à eficiência produtiva das fábricas.

“Um estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) constatou que 63,3% das indústrias do Rio reconhecem que as novas tecnologias aumentam a competitividade das empresas. Fazer eventos com parceiros de peso como a Bosch é necessário para difundir essa cultura no nosso estado”, disse.

O Innovation Day aconteceu em 5 de setembro no IST Automação e Simulação, em Benfica. 

 
Para Empresas
Competitividade Empresarial Educação Qualidade de Vida