Portal Sistema Firjan
menu

Notícias

Competitividade

Pensa Rio discute situação fluminense a partir de exemplo bem sucedido do Espírito Santo

Tempo médio de leitura: ...calculando.

Publicado em 02/06/21 18:10  -  Atualizado em  02/06/21 18:21

“O Rio tem conserto, mas para isso precisa de uma sociedade civil ativa e organizada e de um líder com capacidade de motivar, convencer e mobilizar”. A opinião é de Paulo Hartung, economista e ex-governador do Espírito Santo (ES), no debate virtual desta semana do Pensa Rio, da Casa Firjan, que tratou do tema “Estado Eficaz e Eficiente: ética e gestão”.

Reconhecido como o governador que resolveu os problemas econômicos e de segurança pública do ES, Hartung destacou que liderou o desmonte da teia criminosa dentro da máquina pública no estado, mas que não estava sozinho: “Eu tinha a segurança de ter as duas mãos da sociedade civil nas minhas costas”, afirmou ele, que atualmente é presidente executivo da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá). No Rio, acrescentou, é preciso articular um movimento político que vá além das lideranças formais representativas e perpasse a sociedade para enfrentar os desafios.

Para José Luiz Alquéres, presidente do Conselho Estratégico da Casa Firjan e curador do evento, o pensamento estratégico para o futuro é a virada do Rio de Janeiro. Para ele, não existe futuro se o nosso estado continuar nessa marcha. “O Rio tem que crescer na nova economia, tem que ser bom para as pessoas, com uma administração eficiente e eficaz, que seja feita a partir do Palácio Guanabara e não de nenhum dos presídios. Esse estado precisa encarar de frente a profunda desigualdade social”.

Joaquim Falcão, membro da Academia Brasileira de Letras e do Conselho Estratégico da Casa Firjan, considera complexo o problema do Rio, principalmente do ponto de vista jurídico. “De 30% a 40% do território do Rio não vive sob o império da lei e sim sob o império da lei do traficante, da milícia ou a da comunidade, uma lei de paz. Há vários sistemas jurídicos”. Segundo Falcão, é necessário ter algo pragmático e que faça prevalecer o estado de direito; o que não ocorre, porque as instituições de controle não funcionam, avalia ele, que é professor de Direito Constitucional.

Walter Cavalcante, também integrante do Conselho Estratégico da Casa Firjan e sócio-fundador do fundo Manifesta Capital, acredita que a solução passe pelas empresas e sociedade civil, que devem se envolver mais para contribuir com o mundo. “O União Rio, movimento criado na pandemia (um dos parceiros da campanha SESI Cidadania Contra a Fome), atendeu mais de 300 mil famílias com cestas básicas e ativou mais de 400 leitos hospitalares. Isso mostra como a sociedade civil organizada, com um foco único e sem polarização, consegue fazer mágica”.

Veja e reveja o evento:

 
Para Empresas
Competitividade Empresarial Educação Qualidade de Vida