Portal Sistema Firjan
menu

Notícias

Educação / Firjan

Meio Ambiente na Firjan SESI: piso converte atividade aeróbica em energia limpa

Gerar energia limpa e combater a obesidade ao mesmo tempo é o objetivo do projeto Piso Gerador de Energia, desenvolvido pela equipe Alpha, da Escola Firjan SESI Jacarepaguá.

Gerar energia limpa e combater a obesidade ao mesmo tempo é o objetivo do projeto Piso Gerador de Energia, desenvolvido pela equipe Alpha, da Escola Firjan SESI Jacarepaguá.Foto: Divulgação

Tempo médio de leitura: ...calculando.

Publicado em 26/06/20 11:48  -  Atualizado em  26/06/20 13:29

Gerar energia limpa e combater a obesidade ao mesmo tempo é o objetivo do quarto projeto da série da Escola Firjan SESI, em comemoração ao Mês do Meio Ambiente. O protótipo Piso Gerador de Energia, desenvolvido pela equipe Alpha, da Escola Firjan SESI Jacarepaguá, e batizado de Steptron, converte a energia mecânica da atividade aeróbica em energia elétrica.

Apresentado no Torneio Regional de Robótica Firts Lego League 2019-2020, em fevereiro, em Duque de Caxias, o protótipo utiliza pisos que são geradores de energia através do princípio da placa piezoelétrica, que trabalha quando sofre pressão.

“A energia armazenada vai variar de acordo com a intensidade da pisada”, explica Rômulo Correia, professor de Química da Escola Firjan SESI Jacarepaguá, e um dos orientadores do grupo de robótica desenvolvedor do protótipo. “Ainda não se sabe o valor da energia gerada, isso é um passo adiante. Existe estimativa, mas tudo vai depender do equipamento e da atividade física. Nesse primeiro momento, o projeto quis apenas mostrar que essa conversão é viável,” acrescenta o professor.

O protótipo nasceu a partir do tema "Cidades Inteligentes", do Campeonato de Robótica do FLL. Motivados pelo título do torneio e preocupados com o aumento dos índices de obesidade no Brasil – segundo o Ministério da Saúde, o número cresceu 67,8 % entre 2006 e 2018 –, os alunos Raphael Costa, Ana Beatriz Ferro Campos, Ana Clara Ferreira Joaquim, João Pedro Vieira Macedo de Lima e Felipe Aguiar decidiram investir na ideia de fomentar a atividade física e gerar energia limpa.

De acordo com a estudante Ana Clara, entre as várias propostas analisadas para o evento, “o piso gerador de energia foi considerado a opção mais viável, por ter um custo menor e poder ser utilizado em qualquer lugar.”

O projeto dos idealizadores do protótipo prevê o uso do Steptron em condomínios, praças públicas e até em trechos de ruas durante maratonas noturnas, explica Johnnatan Schubert, professor de Robótica da Escola Firjan SESI Jacarepaguá.

Ele destaca que além de iluminar áreas públicas, a intenção é incentivar a prática de exercícios físicos através da geração de descontos nas contas de luz de quem se exercita. “Mas isso dependeria de regulamentação. Hoje os benefícios só contemplam a energia solar”, explica.

 

IC-alpha_divulgacao21.jpg
O custo do protótipo ficou em cerca de R$ 65. | Foto: Divulgação.

 

Atividade física convertida em descontos na conta de luz

O controle para a realização desse novo conceito seria através de cadastros individuais, onde a energia gerada ficaria registrada. “A ideia é usar um aplicativo de celular na leitura do QR code de cada equipamento. Em seguida, a pessoa faz a atividade física normalmente, convertendo esse tempo de exercício em descontos na conta de luz”, ensina Ana Clara, que participou pela segunda vez de um Torneio do FLL. A primeira foi em 2018.

O custo do protótipo ficou em cerca de R$ 65. Foi construído com placas de MDF cortadas a laser; placas de piezoelétricas, que contém um cristal de quartzo ou de Rochelle; fiação e espuma para amortecer as pisadas. É um produto barato, destacam os professores.

A construção do protótipo foi realizada em uma tarde pela equipe Alpha – formada por alunos do 9º ano do Ensino Fundamental e do 2º ano do Ensino Médio –, por dois professores da Escola Firjan SESI Jacarepaguá e com o auxílio de instrutores da FabLab SENAI Jacarepaguá. Já o desenvolvimento, que começou em setembro com a escolha do tema, levou cinco meses para ser elaborado.

Leia as outras três matéria desta série especial, sobre a Telha Híbrida, desenvolvida pela unidade de São Gonçalo, o Bueiro Inteligente, de Nova Friburgo, e S.A.R.A.H., de Macaé.
 

 
Para Empresas
Competitividade Empresarial Educação Qualidade de Vida