Portal Sistema Firjan
menu

Notícias

Economia do Rio / Competitividade

Indústria é contrária à comercialização de GNV por quilogramas

28/01/20 19:53  -  Atualizado em  04/02/20 19:30

A Firjan e o Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Rio de Janeiro (Sindirepa) apresentaram na terça-feira (28/1) as razões contrárias à proposta de alteração da unidade de medida do Gás Natural Veícular (GNV), que na bomba passaria para reais por quilograma (R$/Kg), conforme portaria do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia), que está em consulta pública até meados de fevereiro.

Na exposição de motivos contrários à medida do Inmetro, a Firjan e o Sindirepa destacam: a distorção econômica que será criada, prejudicando a transparência e clareza no mercado, já que toda a indústria, desde a origem da produção de gás natural até a sua distribuição opera em metros cúbicos; o GNV ficará aparentemente 35% mais caro para o consumidor, em função da alteração proposta; haverá perda estimada em mais de R$ 1,3 bilhão com desestímulo ao uso e à instalação de novos kits do GNV, frustrando os planos de investimentos de distribuidoras e montadoras; a redução potencial de empregos, novos ou existentes, seja por uso direto do insumo ou na indústria associada.

Presidente do Sindirepa, Celso Mattos afirmou que haverá prejuízo para os donos dos postos, que serão obrigados a adaptarem as bombas para quilos dentro de um período de até seis anos. “Esse custo poderá ser repassado para o consumidor final”, afirmou. “Precisamos dar transparência para o consumidor final, deixando que o mesmo faça a opção do combustível”.

As duas entidades propõem ainda maior fiscalização para combate às fraudes, justificativa apontada pelo instituto como um dos motivos para a alteração da metodologia de preço. “Caso seja necessária alguma mudança, que se adote o uso do Litro de Gasolina Equivalente (LGE), modelo aplicado nos Estados Unidos, que traz o valor de combustível consumido em equivalência energética, ou seja, valor necessário para percorrer a mesma distância com um litro de gasolina”, destaca o coordenador de Conteúdo de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, Thiago Valejo Rodrigues.

 
Para Empresas
Competitividade Empresarial Educação Qualidade de Vida