Portal Sistema Firjan
menu

Notícias

Economia

Estudo da Firjan apresenta investimentos em gás natural, que podem chegar a R$ 45 bilhões no Rio

Tempo médio de leitura: ...calculando.

Publicado em 07/07/20 11:03  -  Atualizado em  07/07/20 12:32

A Firjan lançou nesta segunda-feira (06/07) o estudo “Rio a todo gás”, documento com propostas para destravar investimentos em gás natural, que podem alcançar até R$ 45 bilhões no estado fluminense. O Rio é o maior produtor do energético e o gás natural assume fundamental importância como combustível estratégico na retomada econômica do país e do estado, principalmente no pós-pandemia. O lançamento do estudo ocorreu em reunião on-line com a presença do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, além de deputados estaduais e federais, autoridades do governo estadual e representantes de órgãos federais.

O principal foco do estudo foi apresentar sugestões e soluções para projetos que utilizem o gás natural em atividades além da geração de energia elétrica, na qual atualmente estão concentradas as principais ações para a expansão do uso do gás. Conforme o documento da Firjan, há uma diversidade de investimentos que pode ter o gás natural como insumo propulsor de desenvolvimento: siderurgia, petroquímica, usinas de fertilizantes, expansão do GNV em veículos leves e pesados, além das indústrias de vidro, cerâmica e sal.

“Há 30 anos já se falava da necessidade de um marco legal para o gás. Com o ‘Rio a todo Gás’, sugerimos a adoção de algumas medidas urgentes no curtíssimo e no curto prazo. Nossa intenção é contribuir para sairmos de um ambiente de recessão e usar o gás para retomar e expandir a economia a partir do fortalecimento da indústria de energia, petroquímica e o GNV”, afirmou o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira.

 

grafico_gas.jpg

 

O vice-presidente da federação, Luiz Césio Caetano, e o coordenador do Núcleo de GNV da Firjan, Celso Mattos, apresentaram para as autoridades os principais pontos do documento. Caetano destacou a necessidade de diversificar a participação de novos players no mercado de gás e alertou para o alto custo do insumo no país, onde a tarifa final para o consumidor industrial é 7,4 vezes maior do que o preço na boca do poço. Ele lembrou também que 41% do produto reinjetado no poço equivale a 100% do consumo industrial fluminense.

O ministro Bento Albuquerque afirmou que o trabalho para a abertura do mercado de gás vem de longa data, e que é prioridade do governo federal a aprovação do PL 6407/2013, estabelecendo o marco regulatório do gás natural. “A abertura propicia novos investimentos em regiões como Norte e Nordeste, além do Rio de Janeiro, que é a capital do petróleo e gás”, enfatizou.

O deputado estadual Luiz Paulo (PSDB) ressaltou a importância de utilizar o gás natural como forma de recuperar a economia fluminense, já que o produto é fonte de recursos com o pagamento de royalties e participações especiais. Já o secretário de Fazenda do estado do Rio, Guilherme Mercês, destacou que o governo apoia a aprovação do marco legal do gás e trabalha na regulamentação do Repetro, considerados dois pilares necessários para alavancar o estado pós-pandemia.

Além de dezenas de empresários e membros do Conselho Empresarial de Petróleo e Gás da Firjan, participaram da reunião virtual o diretor na ANP, Dirceu Amorelli; o presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Thiago Barral; os deputados federais Christino Áureo e Laércio Oliveira, entre outras autoridades.

Baixe aqui a íntegra do estudo Rio a todo Gás.

 
Para Empresas
Competitividade Empresarial Educação Qualidade de Vida